É tanta coisa na cabeça que de vez em quando a gente se pergunta: é isso mesmo que quero? Afinal, quem sou eu? O que estou fazendo da minha vida? Estou dando atenção para as coisas certas? Estou gastando energia no que realmente importa? Estou dando a devida atenção para quem gosta de mim? A gente fica nesse mar de perguntas e nada até encontrar uma resposta.

29.9.14

Um pouco Sobre Mim


É difícil não se encaixar no padrão perfeito da beleza ou pelo menos no básico. Você sabe do que eu estou falando. Corpo bonito. Não precisa ser exatamente perfeito mais que não tenha amostra nem uma gordurinha extra que impeça usar o biquíni na praia. Um rostinho limpinho e sem manchas do tipo não precisa de make pra sair na rua. Ser inteligente e ainda por cima extrovertida do tipo que se encaixa em qualquer lugar ou qualquer conversa. Uma garota daquelas que quando passa os garotos param pra olhar. É difícil se olhar no espelho e saber que você não é assim. Ver que suas amigas enchem a barriga de chocolate e salgadinho e no final colocam aquele shortinho bem curtinho e uma blusinha mostrando um pouquinho da barriga, e estão perfect. Enquanto você nem precisa comer porcaria nem uma que não entraria naquele shortinho e mesmo se entrasse não teria as coxas durinhas o suficiente pra desfilar com ele por ai.
Sabe, eu passei a minha adolescência toda inventando dietas malucas pra ficar mais magra. Dietas que só duravam por uma semana. Já coloquei todo tipo de produto natural no cabelo pra deixar ele lindo e brilhoso como o das menias que eu via, mais adivinha, ele continua tão sem graça quanto aquele salgadinho tititi. Já usei todos os tipos de produtos contra espinhas que pude comprar, e quer saber de uma coisa, elas continuam crescendo e crescendo como aqueles furinhos que tem na casca do abacaxi. Já perdi a conta de quantas vezes chorei e desistir de sair para algum lugar porque não gostava do meu corpo, meu cabelo estava completamente seco e bufante e uma maldita espinha decidiu crescer bem na pontinha do meu nariz, como uma estrela cadente no topo de uma arvore de natal. Fala sério. Sem tirar o fato de ter nascido em uma família de classe média, onde não podia ser como todas as garotas sair por ai esbanjando dinheiro e fazendo comprinhas todo fim de semana. Minha mãe só dava dinheiro a mim e pra minha Irma quando precisava de algo, ou quando íamos a algum evento e não tinha-mos roupa adequada, ai era que comprava alguma coisa nova. Sempre foi assim pra mim. Acho que o fato de até hoje ser uma garota muito vergonhosa e que não gostar de sair do meu quarto, é saber que sou diferente, e ainda não aprendi a me encaixar.  Ou pelo menos era o que eu pensava. Só que eu cresci, infelizmente. Foi uma fase complicada mais eu to passando. Há só um conselho, se você tem menos de 12 e está preocupada em virar gente grande, por favor não faça isso. Quer dizer, você cedo ou tarde vai crescer, é claro, mais se quer um conselho de amiga. Aproveite sua adolescência da melhor forma que puder, porque quando chegar aos 15 a sua vida não vai ser mais tão sua como você pensa. Vai vir responsabilidades. A boneca que você queria tanto mais sua mãe não quer te dar não vai ser nada se comparando ao o que você vai querer comprar e não vai conseguir. As briguinhas que tem com sua Best friend, não é nada comparando as discussões que você vai ter com seu pai, sua mãe, seu namorado, sua Irma, seu patrão...  Sua vida vira um inferno definitivo. E olhe que ainda nem cheguei aos 18. Tá, mais voltando ao assunto... Eu cresci, e percebi que ser diferente não era tão ruim assim. Eu vi que aquelas carinhas bonitinhas que eu via por trás de toda maquiagem costumava ser só um tipo de mascará pra esconder a pessoa mesquinha e ignorante que tinha lá dentro.  Que o meu corpo apesar de ser feio e todo desengonçado no fundo no fundo eu me orgulhava de alguma coisinha. Talvez o fato de ter mais seios que minhas amigas. Quando eu era pequena isso era desconfortável, mais quando eu cresci eu vir que muitas delas desejavam ter um pouquinho a mais, assim como eu. Ou o fato de sempre ter tidos as panturrilhas grossas e sem marca alguma, diferente delas que eram fininhas e cheia de cicatrizes. Eu também percebi que meu cabelo apesar de ruim e ter que viver o tempo todo em baixo de química eles chamavam atenção por serem grandes (por isso nunca cortei, eles são tipo a minha marca). E que por mais que eu não seja uma garota hiper descola, eu era no fundo no fundo, muito feliz, eu só não sabia disso, até o momento em que criei o blog (na verdade até o momento em que eu passei a atualiza-lo com frequência, porque eu já tinha ele há muito tempo só que não mexia). Esse foi o meu S.O.S e a minha salvação.  Quando eu comecei a descobrir pra que realmente servia aquela página na internet, e que tinha muita gente com outros iguais a mim, eu vi que não era tão diferente delas e que na verdade existiam pessoas iguaizinhas a mim, que também estavam procurando uma forma de se encaixar. Não que eu estivesse feliz por existir pessoas mais indesejáveis que eu, mais por saber que eu não estava sozinha. E a partir daí, comecei a entrar em outros blogs, os meus preferidos eram de textos, eu lia aqueles textos de amor, de coração partido, de desilusões, de felicidades e me identificava com quase todos. E quanto mais eu crescia mais eu via que ser diferente não era tão ruim. Era legal e isso poderia servir até ajuda para outras pessoas, como a histórias de muitos serviram de ajuda pra mim.

Hoje sou uma garota com o primeiro nome hebraico e o segundo indígena, mais que na verdade não faço parte de nem uma dessas raças, sou tão mestiça quanto qualquer outro brasileiro. Atualmente estou com 17 anos 2 meses e 17 dias. Tenho 1,75 de altura e peso 74. Tenho os quadris largos e uma cintura graciosamente dada por Deus (até que  meu corpo seria bonito se eu não tivesse tanta coxas e barriga). Tenho o Cabelo crespo, mais está atualmente quimicamente trado com a definitiva de retoco a cada 3 meses, e escovo ele a cada 2 semanas. Minhas unhas nunca estão a um estado muito agradável. Tenho gastrite leve. Sou meio esquisita porque gosto de coisas assustadoras como filmes de terror, camisas com símbolos esquisitos, e tenho certa atração por coisas perigosas, (mesmo nunca tendo passado por algo que possa ser tecnicamente considerável perigoso). O meu relacionamento com meu pai sempre foi um pouquinho complicado. Sou uma garota de lua, estou sempre com o humor a toda. Se estou muito feliz eu posso simplesmente mudar de humor e virar um porre sem querer mais falar com ninguém por motivo algum. Adoro coisas fofas e muito infantis como os Mínios que são minha paixão. Adoro homens que tem olhos pequenos como os chineses e japoneses (costumava dizer que casaria com um deles quando crescesse). Sou apaixonada por Jared Padalekci, Taylor Lautner, The Rock, Jason Stataham e Demi Lovato. Sou louco por caras mais velhos, cheio de tatuagens, forte e que são tímidos (ou pelo menos que não seja tão galinha). Quando fico nervosa me dar dor de barriga e vontade de ir ao banheiro. Nunca gostei de filmes brasileiros. O meu sonho era ser bióloga, agora queria ser blogueira e fotografa. Sempre quis falar inglês, mais infelizmente o máximo que sei é dublar as musicas de Miley Cyrus. Nunca namorei em toda minha vida, e sim, estou procurando pelo cara certo. Meu livro preferido é Perdida que acabei de ler, (é romântico, engraçado e tem um pouco de erotismo. Hahaha). Minha musica preferida em que sou apaixonada e Wrecking Ball de Miley Cyrus. Meu filme preferido é Titanic com Leonardo Dicaprio. Sou muito detalhista quando estou arrumando alguma coisa. Sou apaixonada pelas revistas da capricho e Atrevida. Tenho como exemplo de vida a cantora Demi Lovato e a Blogueira Bruna Vieira. Nunca recebi nem um elogio pelo meu blog, e não ganho dinheiro com ele. Ainda estou cursando a escola, faço o terceiro ano, e quero muito começar a trabalhar pra poder comprar um celular novo pra mim, porque o meu está quase pifando. Gosto de músicas pop rock e odeio forró. Adoro preto, Cupcakes e qualquer coisa doce. Quero conhecer os Estados Unidos. Não gosto das minhas pernas por ter as batatas tortas. Não gosto da minha barrida, das coxas e da testa. Adoro o meu sorriso e o meu olhar. Tenho dificuldades em falar, (fico muito nervosa). Tenho distonia isso faz com que eu tenha pavor de ficar segurando a mão de qualquer pessoa. Queria ter um quarto só pra mim. Queria acampar. Queria escalar. Odeio filmes em tela de cinema e adoro ler. Então... Essa sou eu.
Se quer saber de uma coisa, hoje não ligo mais para o que as pessoas acham de mim, por isso que passo muito tempo no meu quarto assistindo filme ou lendo alguma coisa. É bem mais confortável do que ter que aturar olhares julgativos a todo momento. E há algum tempo atrás, liguei o botão de foda-se na minha vida. Se eu não sou bonita? O que você te haver com isso? Eu sou feliz do meu jeito e agora isso basta pra mim. Tudo bem que tem dias que eu acordo querendo quebrar tudo dentro de casa, mais quem nunca esteve de mal humor, (tá bom eu sei que eu estou assim quase o tempo todo), mais quer saber de uma coisa? Não dou a minima. É assim que eu sou, e se você não gosta, desculpa você também não faz a minha praia. A cada dia que eu acordo eu só penso em uma coisa... Força. Amanhã será bem melhor que hoje, pode ter certeza.
Fim...
Não gostou do texto? Foda-se.

2 comentários:

  1. Clap clap clap.. Hueahue
    Dri depois que a gente liga o botão do Foda-se o resto é so o resto ;)

    ResponderExcluir

Vai postar um comentário? Ebaaaaa.
Espero que tenha gostado dos conteúdos do GLP, prometo que retribuirei seu comentário logo me breve, é só deixar o link do seu blog, e assim que possível, farei um visitinha. Prometo. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...